De 13 de Maio de 2006 a 31 de Dezembro de 2012, o meu primeiro blog

//Subscrever

Posts

Sexta-feira, 26 de Junho de 2009

Toda a política é local [1]

 
Quando Christopher Werth escreveu o artigo “Voting In The Radicals” que o semanário Newsweek publicou na edição de 8 de Junho, ainda não se tinham realizado as eleições para o parlamento europeu. Segundo Werth, as sondagens previam que apenas 34% dos eleitores europeus viessem a exercer o seu direito de voto (na verdade, esta percentagem aproximou-se dos 45%).
Numa reacção defensiva à crise financeira que eclodiu no final do ano passado, cujos efeitos se farão sentir por muito tempo ainda, os eleitores parecem estar a reforçar, de eleição para eleição, as políticas conservadoras e proteccionistas que os partidos de tendência nacionalista e, portanto, relativamente anti-europeus, melhor representam. Perante os efeitos de  uma desregulação económica global, os cidadãos europeus e suas famílias recorrem aos partidos “da casa”, na esperança de que melhor os defendam das ameaças externas. Eis porque “toda a política é, na verdade, local”, conclui Werth.

Toda a política é local [2]

 
Como sugere Andrew Moravcsik (“Ignore The Skeptics”, Newsweek, edição de 29 de Junho) o dado mais importante acerca da democracia europeia será mesmo o facto de as eleições para o seu parlamento não dizerem respeito aos assuntos europeus. “Na União Europeia, mais que em qualquer outro lugar, toda a política é local”, escreve.
Apesar de tudo, Moravscik (professor universitário em Princeton, nos Estados Unidos da América) considera que “é tempo de repensar a obsessão da União Europeia pelo perfeccionismo democrático”. Sem negar as tendências proteccionistas e o crescimento eleitoral dos partidos conservadores, manifesto nos últimos sufrágios, este autor valoriza a singularidade do parlamento europeu, afirmando que está longe de ser um projecto político falhado. Sem prejuízo dos parlamentos e dos governos dos 27 países que compõem a União, o parlamento europeu é, na opinião de Moravscik, a única “organização internacional” cuja legitimidade resulta de um sufrágio directo.

 

JNobre às 19:31
|