De 13 de Maio de 2006 a 31 de Dezembro de 2012, o meu primeiro blog

//Subscrever

Posts

Quinta-feira, 23 de Abril de 2009

Faço aqui eco da iniciativa já divulgada no "blog" "Casa do Eirô".

Um grupo de cidadãos, entre os quais me incluo, vai promover o visionamento de um Vídeo, seguido de um debate descomprometido, relacionado com o fim anunciado da era da energia barata, que a combustão do carvão e do petróleo proporcionou à humanidade (particularmente ao Ocidente) nos últimos dois séculos.

O Fim dos Subúrbios: um filme que trata a questão da diminuição da oferta de energia barata, sob a forma de combustíveis fósseis, e dos seus impactes sociais.
Salão Arcádia (à Zona Verde, Mondim de Basto); Domingo, 26 de Abril, 16:00h. Entrada livre.

Numerosos especialistas consideram que a humanidade terá já atingido o chamado "pico" da curva de crescimento correspondente à extracção de petróleo a que a procura, nos mercados internacionais, até agora obrigou. De acordo com os mesmos especialistas, apesar desta procura continuar a crescer, a capacidade de fornecimento começará entretanto a diminuir tornando os custos de produção incomportáveis, sendo materialmente impossível manter o sistema de produção e distribuição de bens tal como o conhecemos. Isto acontece porque as reservas de petróleo se esgotarão num horizonte temporal relativamente previsível e porque as sofisticadas técnicas de colheita do petróleo bruto comportam custos de exploração cada vez mais elevados e, portanto, crescentemente insustentáveis.

Estas teorias estão geralmente associadas à questão, não menos polémica, das mudanças climáticas, segundo a qual a temperatura média da atmosfera está em processo de aumento gradual, afectando os equlíbrios ecológicos dos oceanos, mares e continentes, devido ao chamado "efeito estufa" provocado pelas concentrações de dióxido de carbono (CO2) resultantes, sobretudo, da combustão do carvão e do petróleo.

 

Apesar da escala planetária dos fenómenos descritos, os seus efeitos e consequências são, sobretudo, locais. Fazemos, por isso, um convite público à participação.

JNobre às 17:36
|